Siga por e-mail

terça-feira, 11 de outubro de 2011

GTX bronze turbina

Caros,

Impressionante o poder da informação e desta tal de internet ...

Eu sempre quis ter um GTX ... Minha preferência era por um Azul LeMans, carro que me trouxe da maternidade no já semi-longínquo ano de 1970 ... mas poderia ser uma Vermelho Indianápolis também ...

O que eu não sabia, e fiquei sabendo de uns 7-8 anos para cá apenas, é que haviam mais 2 cores disponíveis para os GTX: Verde Interlagos e Bronze Turbina ...

Essas duas cores eram absolutamente desconhecidas para mim, não tinha lembrança de tê-las visto ... Todas as minhas lembranças eram de GTX vermelhas e azuis ... Na literatura (propagandas e testes de época) só existe registros da vermelha ...

Achando que seria muito difícil ter um GTX (ou uma, cada um chama de um jeito), em 2004 eu comprei uma Regente 69 branca ... Bem original, consegui o motor Emi Sul e trouxe ela de volta à originalidade completa ...

Mas por um capricho do destino, há uns 5 anos atrás me falaram de uma GTX vermelho indianapolis no bairro do Capão Redondo, com o mesmo dono desde 1971 ... Fui ver o carro ... Estava desmontado, o dono não venderia .. Um ano depois ele mudou de idéia e fui buscar o carro e uma tonelada de peças que o acompanhavam ...

Um ano depois me aparece uma GTX azul Le Mans, cuja história daria um livro ... Levou cerca de um ano para conseguir trazer ela para a oficina e hoje está prestes a ser pintada ...

Aí eu achei que a coisa tinha terminado, aliás já tinha ido longe demais ... Um Regente e 2 GTX já dava internação fácil ...

Porém o Marcelo do http://www.simca.com/ cogita em vender a GTX Verde Interlagos dele ... Era (e ainda é) a única sobrevivente desta cor que tenho conhecimento ... Tive que fazer umas manobras aqui e abraçar ela também ...

Bom, aí eu coloquei um post neste blog dizendo que agora só faltaria a Bronze Turbina mesmo ...

No último Mopar Nationals tive o prazer de conhecer o Maurício Silveira, padrinho do R/T 72 cinza fênix cuja restauração foi objeto de alguns posts do blog ... Conversando com ele, me contou que ao voltar de trem do trabalho para casa, avistava um GTX bronze turbina parado numa oficina ...

Achei muita coincidência e pede para que ele investigasse ... Não deu outra ... Não só era um GTX bronze turbina, como um dos GTX mais zero que já vi até hoje ...

O Maurício entrou em contato com o dono, uma semaninha de negociação e o carro veio para São Paulo, não sem antes passar uma semana na casa do Maurício descansando aos cuidados dele para a viagem que faria de volta às terras de Piratininga, onde um dia fora montada ...

Não vou postar as fotos dela aqui, afinal o Maurício já fez um belo de um post no Blog dele:

http://showroomimagensdopassado.blogspot.com/

O carro tinha uma história que desde o princípio eu achei meio fantasiosa, de que o primeiro dono do carro havia sido o ex-governador Leonel Brizola ... Oras, se o cara esteve no exílio de 1964 a 1979, como é que poderia ter tido um carro aqui, em 1969 ??? Vieram algumas explicações, que ainda não me convenceram, mas estamos (o Maurício principalmente) investigando ...

Novamente o poder da informação, a partir do post do Maurício, tivemos contato com o Luís Mello Sampayo, morador de Rio Grande que conheceu a GTX desde 0km ... Com os contatos dele conseguiu um histórico de registro desse carro desde 18/09/1970, data em que foi registrada em nome de Ayres de Jesus Torres, com as placas número 306567 de Rio Grande-RS ... Ou seja, a história continua desconhecida de 1969 até setembro de 1970...

Mas o mais legal foram as fotos que o Luis mandou, inclusive uma de Rio Grande, provavelmente em 1970 ... Viagem total .. Ver um carro que está hoje na sua garagem numa foto de época quando era quase 0km há mais de 40 anos atrás ...

Seguem algumas fotos:

Pronto para vir para São Paulo, na garagem do Maurício. Os faróis de milha são originais e um dos 2 únicos opcionais do GTX (o outro eram as falsas entradas de ar no capô)

Em 1997 ... Muito inteiro ...

E a melhor de todas: em Rio Grande-RS, em 1970 ...

O carro está em São Paulo, vai passar por uns acertinhos de pintura, de detalhes ...

Em breve fotos do GTX pronto ... E também dos irmãos coloridos sendo recuperados ...

Eu considero os GTX um dos carros mais interessantes da história da indústria automobilística brasileira ... É praticamente um ensaio que a Chrysler fez para os Charger R/T: a versão esportiva do carro normal, com faixas adesivas 3M, com cores exclusivas, com câmbio Clarck 4 marchas no assoalho e console, com bancos dianteiros reclináveis (até o fabricante é o mesmo), volante WalRod e uma sigla trazida de um modelo americano esportivo ....

Abraços,

Badolato

PS - Faltou a foto dos colaboradores do resgate da GTX ... Valeu pessoal !



10 comentários:

  1. Xara ,sensacional a historia ,parabens .
    Vai postando fotos ,tou curioso para ver o meu " afilhado" .Voce tem ainda aquela foto dele nos anos 70 ?
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Muito bom! Pra mim a melhor parte do antigomobilismo é o resgate desses elos perdidos. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Xará,

    A tua afilhada está no post de baixo, última foto ...

    Luis,

    É legal demais quando a gente acha a trilha da história de um carro ...

    Abraços,

    Badolato

    ResponderExcluir
  4. Muito legal. Eu desconhecia este carro até 2001, quando vi um na GM Saint Paul, que era de propriedade do Fábio (que eu desconhecia a existência até eu entrar para o CCB). Lembrei-me do Fábio mostrando, entre muitos outros carros, inclusive um R/T 77, um Esplanada vermelho esportivo e eu não entendi lhufas do que era aquilo. GTX ?? Só vi aquele até hoje. E as suas, por foto.

    abraços!

    ResponderExcluir
  5. Bem legal, para arrematar só falta ter sido do Leonel Brizola mesmo.

    Acho que nunca vi GTX verde nem bronze (só nas fotos do Maurício). Das vermelhas vi algumas, gosto muito, até cheguei a negociar a compra de uma, mas não chegamos a um acordo. Azul só vi em revista, uma com uma estória meio estranha.

    E que tal para andar? O motor EmiSul deve ser esperto, não?

    Abraço.

    Reinaldo
    http://reiv8.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. muito bacana, eu também não conhecia estas cores (verde e bronze). avrasssss Gian

    V8nFUN.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Badolato,Pelo jeito essa máquina vai fazer parte do volume 2 do seu livro !


    Abraços !

    www.estaleirodoscarros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. e a pergunta que não quer calar?? qual foi o investimento do museu para adotar a bronzeada???

    ResponderExcluir
  9. Mistééééééério ... Atrás do cemitéééério .. kkkkkk

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. olá ... busco informação para obter a tinta na cor Bronze Turbina, possuo carros antigos da montadora Puma e esta utilizava cores de tintas de outras montadoras, existe a possibilidade desta cor Bronze ter sido utilizada no modelo GT4R produzidos em 1969, se possível retornar para gazotti@gmail.com , obrigado

    ResponderExcluir