Siga por e-mail

sábado, 6 de abril de 2013

A coleção do maior louco de todos ....

Caros,

Terça passada eu visitei uma coleção de automóveis que me deixou de queixo caído. Não pelos carros em si, que definitivamente não fazem o meu gosto, mas pela inacreditável história por trás dela, pela fartura e riqueza do acervo e pela beleza do Museu que a guarda ...

Estou falando do Museu Nacional do Automóvel de Mulhouse, a (nem tão) conhecida Schumpf Collection ...

Estava visitando minha irmã que reside na Alemanha há mais de 13 anos e, despretenciosamente fui visitar esse Museu, na vizinha Mulhouse, França. Já tinha ouvido a história inacreditável por trás desta coleção, e fui ver de perto ...


Foi resumir muito a história. Existe muita controvérsia sobre o assunto até hoje, principalmente no que diz respeito às praticas dos irmãos Schlumpf e a uma eventual injustiça que pode ter sido cometida contra eles ... Se nem os franceses chegaram a um consenso, não vou ser eu que vou ousar palpitar sobre o assunto ... Então vamos apenas à história !

Os irmãos Hans e Fritz Schlumpf nasceram na Itália no início dos anos 1900 ... Filhos de pai suiço e mãe da Alsácia (região que hoje é França, mas já trocou algumas vezes de mãos entre franceses e alemães), tinham nacionalidade suiça ...

O mais velho Hans (que é meio coadjuvante nesta história) fez carreira em bancos. O mais jovem (e o verdadeiro porra louca da história) se especializou inicialmente no comércio e posteriormente na fabricação de lã ...

Em um dado momento os irmãos se juntaram, uniram seus talentos e começaram a prosperar ... muito !

Hans e Fritz Schlumpf

Compraram uma moinho de lã (existe palavra melhor para isso em Português ??? Lanifício ??? Vou chamar de moinho de lã mesmo ...) na cidade de Mulhouse ... E depois mais um em outra cidade da Alsácia ...

Quando estourou a segunda guerra mundial, os Schlumpf se deram muito bem ... Hastearam bandeiras suiças na fábrica de Mulhouse para mostrar a todos a sua neutralidade e venderam muita, muita lã aos exércitos combatentes ... Como eram um dos poucos que continuavam produzindo, vendiam seus produtos pelos preços que queriam, com margens astronômicas ... Passada a guerra, se a Europa estava destruída, os Schlumpf estavam trilhonários !!!

Algum tempo depois Fritz começou a comprar carros ... Ele tinha um Bugatti para uso pessoal, e começou a comprar os carros que haviam sido produzidos há 100 km dali, na própria Alsácia. 

Nos anos 60 a doença atingiu níveis estratosféricos. Fritz comprava todos os Bugattis que conseguia. Às vezes comprava coleções inteiras só porque tinha 1 ou 2 Bugattis no meio. Chegou a comprar uma coleção de 30 Bugattis nos EUA de uma vez só ... Ele dizia: "Todos estes carros foram produzidos na Alsácia e eu vou trazer todos de volta para cá !" ... Adoro esses comportamentos doentios ... :)

Obvio que ele não conseguiu comprar todos, mas conseguiu juntar a inacreditável soma de 150 Bugattis ! Inclusive o carro de uso pessoal de Ettore Bugatti e tudo que sobrou da fábrica dele quando fechou ...

No meio destas compras vieram Ferraris, Maserattis, Hispano-Suiza e mais uma infinidade de coisas ... No total ele passou de 500 carros.

Até que ele decidou fechar o moinho de Mulhose para pode abrigar toda sua coleção de carros.

Foto do moinho de lã ainda em funcionamento.


Os funcionários foram demitidos e, em segredo, os carros começaram a serem levados para lá dentro de vagões de trem que eram desviados para dentro da velha fábrica.

O que os Schlumpf começaram a fazer lá era digno do filme A Fantástica Fábrica de Chocolate. Os Willi Wonka dos Bugatti mandaram fundir 900 postes de ferros, réplica dos da ponte Alexandre III em Paris para substituir cada pilar do moinho, deixando o lugar lindo e fazendo a iluminação ...

Muitos carros foram restaurados na oficina do Museu e, em silêncio, trabalharam mais de uma década para abrir o Museu ao público. Até os baldes de Champagne já estavam comprados para a inauguração.

Até que ...

Até que, em 1976 os Schlumpf quebram ... 2.000 funcionários foram demitidos. Até que o sindicato dos trabalhadores do outro moinho, em 1977, tomam o moinho de Mulhose ... E quando abrem as portas ... dão de cara com mais de 500 super carros europeus em impecáveis condições, num ambiente maravilhoso.

Europeu já é meio comunista mesmo, imagine um sindicalista .... Aquilo revoltou os funcionários ... Há boatos que chegaram a por fogo em um Bugatti como forma de pressão ...

E aí o governo francês, a prefeitura de Mulhouse, Automóvel Clube da França e outros entram em ação, protegendo a coleção e estatizando o Museu.

Os irmãos Schumpf são escoltados até a fronteira da Suiça e nunca mais entrariam na França, tampouco viriam seus carros e seu sonho do Museu aberto ...

Em 1981 o Museu abre ao público com o nome de Museu Nacional ... Apenas em 1988 se dão contam da injustiça e renomeiam o Museu como - Museu Nacional - Coleção Schlumpf.

O interesse do público foi imenso, pela curiosidade acerca de tal história. E o Museu até hoje permanece em constante atualização, lindo e bem administrado.

A minha visita foi rápida, devo ter ficado umas 2 horas no museu apenas. Estava com meu filho, minha mulher e minha mãe. Me prendi mais ao prédio, a infraestrutura, a disposição dos carros do que aos carros em si ...

Seguem algumas fotos ....

Entrada do Museu ...

O prédio original do moinho à esquerda e uma construção moderna à direita ...

Eu .. Puta frio ....

Disposição dos carros, com os citados postes e paineis que remetem à epoca de cada carro

Carro muito antigo com pintura de fábrica ainda ... Como eu sempre digo, nem tudo se restaura !

Um de infinitos Bugattis ...

Outro ...

Uma coisa interessante. Cada visitante recebe um aparelhinho, tipo um celular ... Em cada carro tem um número .... Você aperta  número e o aparelinho conta detalhadamente a história daquele carro. Este em questão foi uma pick up que a Bugatti construiu para um projeto de se cruzar o norte da Africa de carro ....

Freak !!! O dono, um artista, levava suas telas no banco de trás ....


Mais Bugattis ....

Essa minha mãe mandou tirar .. Quando meu pai começou a namorar com ela, ele tinha um Dauphine amarelo ....

Excursão de escola no Museu. As crianças não tinham que ficar passivamente olhando os carros, mas completando um "teste" com informações que só eram obtidas nos carros. Muito interessante...

Hispano-Suiza 

A administração do Museu tenta mantê-lo atualizado. A PSA, por exemplo, tem a fábrica a poucos km do Museu, e cedeu o Peugeot número 10.000.000 produzido para o Museu

A Bugatti, tão homenageada no Museu, cedeu um Veyron, colocado como um dos destaques ...

Carros de corrida eram outra paixão dos Schlumpf ...

Dispostos num grid ....

Grid dos veteranos ....


Simca Gordini ....  Certamente não ganharia nenhum concurso de design ....

Mais carros de corrida ....

Os Formula 1 ...

Destaque para os postes ! 

Um dos poucos carros que eu achei realmente bonito no Museu ....

Agradecimentos ... Muita gente envolvida na administração do Museu !


E uma curiosidade ! Amanhã, 7/abril/13, vão apresentar lá no Museu o novo Willis Interlagos, ops, quer dizer, Renault Alpine, que está sendo ressuscitado por lá !


Para fechar o post, uma observação. Hesitei em colocar este post aqui por não ter absolutamente nada a ver com Dodge e afins ... Porém mostra como é possível se administrar um museu de automóvel com seriedade ...

Exatamente isso deveria ter sido feito no Museu da Ulbra ... O cara tá devendo ??? Toma o Museu dele e mantém o patrimonio cultural formado !! Mas não ... Brasileiro burro quer desfazer tudo, vende tudo de qualquer jeito e pronto .... Temos muito a aprender com a Europa ... Se esse é o sucesso do Brasil, eu prefiro a crise européia !!! Apesar de não gostar muito dos carros de lá ...

Abraços,

Badolato




A incrível história de um Chrysler Regente 68 modelo 67 ...

Caros,

Às vezes ainda aparecem algumas coisas, algumas situações muito interessantes na nossa vida de carros antigos ... E há umas 3 semanas atrás aconteceu uma muito legal !

Existem algumas pessoas que estão sempre me ajudando, ou indicando peças, ou indicando carros, ou qualquer outra coisa ... Um dos que mais frequentemente me ajuda é o Marcel de Jundiaí ... Mas existem outros ... Um deles é  o amigo Lucas Neves, de Mogi Mirim-SP ...

Há cerca de 2 anos atrás, quando coloquei um post sobre a montagem de uma das Esplanadas GTX, falei sobre a dificuldade em montar estes carros e de como é mais complicado as questão das peças ... Perto de se restaurar um Esplanada, a restauração de um Dodge é fácil fácil ....

Após este post, o Lucas me manda uma mensagem dizendo que havia descoberto 2 Esplanadas num antigo ferro velho de Itapira-SP, que provavelmente haveriam peças úteis nos carros .... Obviamente me interessei, mas não priorizei ... No meio de tanta coisa para fazer, deixei a informação das Esplanadas arquivada na cabeça ... Por dois anos !

Até que, há um mês atrás, o Lucas me procura dizendo que o terreno do ferro velho seria limpo para ser destinado a alguma construção ... e que se eu não fosse lá ver os Esplanadas rapidamente, eles seriam vendidos a kg, para sucata ....

Opa, não podia deixar escapar essa ... Achei um dia na semana e sacrifiquei o trabalho do dia ... Seria para uma boa causa ...

Era uma quarta-feira ... Saí de casa cedo, peguei o Jeferson em Osasco e fui para Mogi Mirim encontrar o Lucas ... De lá para Itapira ...

Aí sim fiquei sabendo de detalhes da história ...

O tal ferro velho não era exatamente um ferro velho, mas a base de um antigo guincheiro, que era possivelmente o único guincheiro de Itapira na década de 70 ... Qualquer carro que quebrasse na cidade, era ele quem ia guinchar ...

Em algum momento ele achou que seria uma boa idéia se oferecer para comprar os carros quebrados que guinchava, para no futuro arrumar e vender ... E com isso foi acumulando carros no terreno que usava como base para o guincho ...

Juntou muitos, uns 30 pelo menos ... E, em algum momento passou a esporadicamente desmontar alguns e vender peças também ...

Ainda conforme me contaram, em algum momento ele sofreu um acidente e passou a ter limitações físicas, o que dificultava a continuidade da atividade com os carros ... A partir daí os carros ficaram no terreno, fechados, abandonados ...

O nosso protagonista então faleceu há algum tempo e os familiares agora estavam desocupando o terreno ...

Enfim chegamos na porta do local, fechado por um portão ... A cena era no minimo pitoresca ... Vários carros debaixo de árvores, uma mar de peças debaixo de uma cobertura e, pelo portão da frente, nem sinal das duas Esplanadas ...


O Lucas então me tranquiliza, dizendo que as Esplanadas estavam no fundo do terreno, uma delas inclusive, era o único carro que foi guardado no coberto ...

A minha intenção era conseguir algumas peças para ajudar na montagem da GTX 69 azul Le Mans ... Precisava de um radiador e mais algumas coisas ... Mas naquele momento eu percebi que havia a chance de que pelo menos uma delas fosse algum modelo interessante ...

E o que seria um modelo interessante ??? Ou um GTX (que certamente não era), ou uma Esplanada 2 faróis, carro interessantíssimo e raríssimo, pelo qual sempre tive atração ...

Eis que o neto do antigo dono daquilo tudo chega e, muito atencioso, abre os portões ... Abria a Porta da Esperança ... Me deu até uma tremedeira entrar naquele lugar sem saber bem o que me esperava lá ...

A primeira Esplanada, a que estava no coberto, batia com a descrição do Lucas ... Era uma Esplanada 1969 ... A cor eu até agora não sei dizer, de tão queimada e desbotada que ela estava ... Azul ou verde, sei lá ... Ainda não fiz a autópsia da dita cuja ...


O carro, apesar de estar no coberto e relativamente alinhado, não tinha atrativos ... Estava sem mecânica e no interior havia uma miríade de peças e lixo sobre os bancos originais ... O carro deve ter parado lá muito inteiro, há 30 ou 40 anos atrás ... 

Se a descoberta da primeira Esplanada não me animou, foi só eu olhar para o lado direito que o coração deu uma acelerada ! A segunda Esplanada na verdade era um raríssimo Chrysler Regente 2 faróis !


Enlouqueci quando vi aquela tampa traseira lisa, sem frisos, apenas com as letras REGENTE ... Já deu para ver que já era um Regente Chrysler ... Os Regentes Simca tinham as letras SIMCA na tampa traseira ...

O carro era vermelho e ainda com pintura de fábrica, obviamente tostada pelo sol e pelo musgo. O carro era surpreendemente liso e completo de detalhes ,,, As laterais praticamente não tinham ferrugem .... Em compensação o assoalho do porta malas desapareceu !!

Dei a volta nele e a plaqueta de identificação comprovou que já era um Chrysler ...


Mais tarde, em casa, pela numeração de chassi descobri ser um Regente 68 fase 1, ou seja, ainda 4 faróis ... Os Regente / Esplanadas 4 faróis só chegaram ao mercado em Abril de 1968, ou seja, esse era um carro do primeiro trimestre de 1968 ...

Exatamente como o que aparece num folder de época que tenho no acervo aqui :

Frente 2 faróis e placa 1968 !


Imediatamente me veio uma idéia na cabeça ... Comprar os dois carros e salvar o Regente ... O Esplanada 1969 seria doador de peças tanto para a montagem da GTX Azul Le Mans como para salvar o Regente ... Conversei com o Jeferson num canto que topou a encrenca ... Conversei com o neto do antigo dono dos carros que me fez um preço justo no casal ....

Uma pequena operação logística se fez necessária para se retirar os carros de lá ... Mas deu tudo certo ...

Comecei a garimpagem pela peças faltantes do Regente, e os pacotinhos já estão chegando em casa por Sedex ...

Par de molduras das lanternas traseiras 0km, compradas do Cuti


Consegui também um interessantíssimo folder que anunciava que o Regente e Esplanada passavam a ser Chrysler ... Para aguçar ainda mais as lombrigas, o Regente que aparecia na foto era justamente um vermelho, como o nosso recém adotado !!

Folder apontando algumas das mudanças externas que a Chrysler fez nos carros ...

Close no Regente ... Muita coincidência, não ??


Acredito que muitos devam se perguntar por que diabos eu vou perder tempo e gastar dinheiro restaurando um carro desses, que nem um Chrysler puro sangue é ...

A resposta é que trata-se de um carro muito interessante, muito raro, com muitos detalhes exclusivos ! É um pedaço da história que precisa ser preservado ! 

Um carro único, desenhado no Brasil, a partir de uma base de um carro francês feito sobre um Ford e fabricado pela Chrysler !!! E com motor de Hot Rod dos anos 50 !!! Quer algo mais inusitado, exclusivo e interessante do que isso ??? Eu adoro !!!

Que eu tenha energia e paciência para completar a obra ... 

Mas coincidentemente até o ângulo da foto do Regente que eu tirei coincide com o ângulo da última foto que tirei do GTX bronze turbina. Forçando um pouco a barra dá para imaginar um "Antes e Depois" bastante motivador !!!



Para completar a coincidência, meu amigo Paollucio, que também tem me ajudado com as restaurações das GTX, recentemente comprou um Regente 67 para restaurar ... O dele é Simca, o meu é Chrysler ... Ou seja, vamos correr juntos atrás dos detalhes e, quem sabe, terminar os carros meio que ao mesmo tempo !!!

Divertido demais não ?

Abraços,

Badolato













quinta-feira, 4 de abril de 2013

Atualização Geral das Restaurações



Caros,

Estou com alguns posts atrasados, passei uma semana fora e estou retomando agora ...

Para começar uma atualização geral das Restaurações:


1) Charger R/T 1978 

    a) Vermelho Verona

        Este carro eu vendi restaurado para um amigo meu, há uns 2 anos atrás. O combinado era restaurar o carro e entregar pronto ... Eu já havia terminado o meu e não via sentido em fazer 2 carros exatamente iguais.

        Curiosamente este foi um dos meus primeiros Dodges da coleção, com certeza foi o segundo Charger "quadrado" (71-78) que comprei ... Quando comprei o outro Vermelho Verona, optei por restaurá-lo antes por estar totalmente desmontado. Como este estava montado e razoavelmente bem completo, acabei deixando para depois ...

        Agora, com mais de um ano de atraso sobre a estimativa inicial, ele está 99% pronto para ira para a casa do novo dono. 


 Traseira linda, com vinil branco original ...

Interior vinho refeito em couro. No dia da foto estavam montando o painel ...



Frente muito malvada nos nossos Charger !


          b) Azul Capri

              Na mesma época que eu vendi o Vermelho Verona acima para este amigo, eu estava dando uma otimizada na coleção e vendendo os carros repetidos ou "meio repetidos". E vendi para um outro amigo este Charger R/T 78 Azul Capri.

             Porém o Azul Capri não teve a mesma sorte do Verona ... O amigo que o comprou mandou-o para uma oficina onde só fizeram besteira (como jatear o interior todo do carro acabando com a tinta original que serviria de referência para pintar o carro ) ... 

            Com mais de um ano na oficina, gastando dinheiro e sem ver avanços, meu amigo desistiu. E eu peguei o carro de volta num negócio que fizemos ... Moral da história ? Carro desmontado, peças  para todo o lado ... foi para a oficina !!! 

            Não era a hora de restaurar outro R/T 78, mas tenho pavor de guardar carro desmontado ... Ganhou 2 laterais traseiras 0km e está lindo, com a funilaria pronta ... Após esta foto, já tomou inclusive o primeiro fundo primer ...

Lateral 0km : liso, liso, liso !!

Alías, tudo liso !!


            c) Bege Indiano

                E vamos acabar emendando o terceiro R/T 78 na sequência ... Na já citada "organizada" na restuaração, acabei vendendo o R/T 78 bege indiano, com o compromisso de administrar a restauração ... Com o R/T 78 Vermelho Verona saindo da oficina, o Bege Indiano já entra para os trabalhos ....

Em breve, o terceiro R/T 78 restaurado na sequência ... quase uma fábrica ... kkk



2) Dodge A-100 1966

A nossa picapinha A-100 está finalmente na sua cor original de novo !!!

O motor V8 273 teve os cabeçotes revisados e logo será montado. O câmbio automático foi todo restaurado !

Esse carro começou a ser restaurado na Califórnia e o projeto foi abandonado por muitos anos ... Estou respeitando o projeto de restauração de quem começou (sei lá quem foi !) e mantendo duas alterações na originalidade do carro :

- As rodas de época, 15"na traseira e 14" na frente com pneus BF Goodrich Radial T/A ... Originalmente ela tinha rodas 14"com pneus diagonais, rodas brancas com calotinhas centrais (dog dish) ..

- eliminação dos parachoques ... Nos EUA quase todo mundo que restaura estas picapes elimina os parachoques ... que parecem 2 bigodinhos na frente e na traseira do carro ... Quando peguei ela, os parachoques já haviam sido removidos, funilaria feita .. Além disso não tinha mais os parachoques .... Então optei por manter assim, California Style ...





Estou muito curioso para ver este carro pronto e, mais do que tudo, andar nele ...

Deve ser no mínimo pitoresco. Dentro vão 2 banquinhos individuias e entre os banquinhos, ao invés de um console, um motor V8 ... 

Já ouvi dizer que o interior esquenta, que é barulhento ... mas deve ser uma delícia ... 

Em breve !


3) Dodge D-100 cabine dupla 1971

Este carro é provavelmente um dos mais raros da minha coleção ... Uma D-100 cabine dupla de fábrica ! Modelo que decididamente não vingou e que teve pouquíssimos exemplares fabricados.

Ao contrário da cabine simples, que tem modelo norte americano idêntico, essa é brazuca total ! A americana cabine dupla tinha 4 portas e era mais longa .... Aqui simplesmente alongaram a cabine e comeram espaço na caçamba ...

Aliás não foi preciso muita criatividade para fazer isso, era só olhar as Chevrolet C-10 / D-10 cabine dupla, que desde o final da década de 60 usavam a mesma receita ....


A picape está pronta ... Quer dizer, o único problema foi a grade.

Nos modelos standard a grade era pintada de branco, nos modelos Luxo a grade era cromada ... Essa é modelo Luxo. Aliás a única cabine dupla Luxo que conheci.

A grade cromada estava em bom estado, cromo nota 8,0, original ... Mas num excesso de preciosismo, querendo ver tudo 0km, mandei cromar ...

Quando decaparam o cromo antigo, apareceu alguma corrosão por baixo do cromo. Aí não sei se realmente a peça estava bem corroída ou se exageraram no processo de decapagem. O fato é que ficaram algumas irregularidades que com a cromeação não ficaria legal ... 

Para não atrasar mais o carro, pedi para pintarem a grade de branco (como as standards) enquanto compro outra grade em melhor estado e mando cromar ....

Frente esperando a pintura da grade ...

Calotas cromadas da versão luxo ...


Já com a grade provisória branca ... Emblema da concessionária Emercan - MG, onde ela supostamente possa ter sido vendida ...

Semana que vem ela vai para o Museu, rodando ... Prometo uma bateria de fotos e, se eu lembrar de levar a camera, um pequeno filme dela !!

Atualização: Fotos fresquinhas da D-100:











4) Charger R/T 71 vermelho xavante

Ás vezes eu sou até repetitivo aqui, dizendo que nem todos os carro devem ser restaurados .... Carros integros tem que ser preservados ... Restauração é só para carro que apanhou muito no passado e precisa ser refeito do zero ...

O que não é o caso do nosso Charger R/T 71 vermelho xavante, adquirido ano passado em Campinas ...

O carro ficou quase 40 anos com o mesmo dono, que o usou com parcimônia, mas quase que ininterruptamente por todo esse tempo ... Resultado: um carro muito íntegro, mas com a pintura bem queimada de sol, vários retoques na cor errada ... Enfim, um carro íntegro, mas que estava visualmente feio.

O remédio para este mal foi uma pintura nova, porém sem desmontagem no carro ... Foi feita a funilaria que se fazia necessária, dado um acerto geral na lataria do carro e uma pintura nova. Apenas isso ...

O carro vai entrar em montagem assim que entregarmos o R/T 78 vermelho verona !

Mas segue uma fotinho para aguçar as lombrigas dos apaixonados como eu ...

Aplicação das faixas ...

Abraços,

Badolato


PS - Entre hoje e amanhã tenho mais 2 posts para colocar no ar ...