Siga por e-mail

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Importação sem IPI !!!!!!!!!!!!!!!

Caros,

Até que enfim uma notícia boa !

Um juiz de Santos deferiu uma liminar isentando a importação de um carro antigo na pessoa física do IPI !!!

Tomara que isso se alastre como fogo em palha seca ...

Abaixo na íntegra !

Abraços,

Badolato





IPI - Justiça Federal exclui IPI na importação realizada por pessoa física



O juiz Federal Fábio Ivens Pauli, da 2ª vara da Justiça Federal de Santos/SP, deferiu liminar em MS excluindo, assim, a incidência do IPI na importação realizada por pessoa física.

No caso, a impetrante havia adquirido um veículo Mustang GT, para uso próprio.



Para o juiz Federal Pauli, "o Imposto sobre Produtos Industrializados não incide sobre operações feitas diretamente por pessoa física, porque ao dispor sobre sua não-cumulatividade, com autorização de compensação do valor recolhido nas operações anteriores, pressente-se a existência de cadeia produtiva/comercial".



"Não se pode atribuir uma faculdade - no caso, a de compensar o valor recolhido anteriormente -, a quem não possui meios de exercê-la", ressalta Pauli.



_____________





PROCESSO 0009482-22.2010.4.03.6104

C.H.P.M., qualificada na inicial, impetra mandado de segurança, com pedido de liminar, contra ato do Inspetor da Alfândega da Receita Federal do Brasil no Porto de Santos, objetivando a liberação de veículo adquirido no exterior, objeto da licença de importação nº 10/2944310-0, sem a exigência de recolhimento do Imposto sobre Produtos Industrializados.



Aduz ter importado, para uso próprio, o veículo descrito na inicial e que para obter o respectivo desembaraço, será compelido a recolher o imposto sobre produtos industrializados.



Insurge-se contra a exigência da autoridade aduaneira, por afronta à Constituição Federal, ao argumento de que, em face do princípio da não-cumulatividade, inscrito no inciso II do parágrafo 3º do artigo 153 da Carta Magna, a incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados restringe-se às operações típicas de comerciantes, não alcançando a importação realizada por pessoas naturais, para uso próprio.



Postula a concessão da liminar para imediato prosseguimento do despacho aduaneiro, sem a exigência da exação mencionada.



É o que cumpria relatar.



Decido.



Segundo Hely Lopes Meirelles, "a medida liminar é provimento cautelar admitido pela própria lei de mandado de segurança quando sejam relevantes os fundamentos da impetração e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da ordem judicial, se concedida a final" (Mandado de segurança. 26 ed. Atualizada por Arnoldo Wald e Gilmar F. Mendes. p. 77).



Prossegue o citado autor dizendo que "para a concessão da liminar devem concorrer os dois requisitos legais, ou seja, a relevância dos motivos em que se assenta o pedido na inicial e a possibilidade da ocorrência de lesão irreparável ao direito do impetrante se vier a ser reconhecido na decisão de mérito - fumus boni iuris e periculum in mora.



A medida liminar não é concedida como antecipação dos efeitos da sentença final, é procedimento acautelador do possível direito do impetrante, justificado pela iminência de dano irreversível de ordem patrimonial, funcional ou moral se mantido o ato coator até a apreciação definitiva da causa" (op. cit. p. 77).



Vê-se, assim, que à semelhança do que ocorre no processo cautelar, para o deferimento da medida urgente, revela-se necessária a presença da fumaça do bom direito e do perigo da demora.



No caso, a liminar deve ser deferida.



A respeito do Imposto sobre Produtos Industrializados, dispõe a Constituição Federal no seu art. 153, inciso IV:



"Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:



IV - produtos industrializados....



3º - O imposto previsto no inciso IV:



...II - será não-cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação com o montante cobrado nas anteriores;"



O Código Tributário Nacional, por sua vez, define não somente o fato gerador da exação em tela, como também os seus respectivos contribuintes:



"Art. 46 - O imposto, de competência da União, sobre produtos industrializados tem como fato gerador:



I - o seu desembaraço aduaneiro, quando de procedência estrangeira;



II - a sua saída dos estabelecimentos a que se refere o parágrafo único do artigo 51;



"Art. 51 - O contribuinte do imposto é:



I - o importador ou a quem a lei a ele equiparar (em relação ao fato gerador decorrente do desembaraço aduaneiro de produto, de procedência estrangeira);



II - o industrial ou quem a lei a ele equiparar;...Parágrafo único. Para os efeitos deste imposto, considera-se contribuinte autônomo qualquer estabelecimento de importador, industrial, comerciante ou arrematante."



Nessa linha, analisando o entendimento majoritário acerca do tema, é possível extrair que o Imposto sobre Produtos Industrializados não incide sobre operações feitas diretamente por pessoa física, porque ao dispor sobre sua não-cumulatividade, com autorização de compensação do valor recolhido nas operações anteriores, pressente-se a existência de cadeia produtiva/comercial.



Não se pode atribuir uma faculdade - no caso, a de compensar o valor recolhido anteriormente -, a quem não possui meios de exercê-la.



Vários são os precedentes que autorizam afirmar que está presente o fumus boni iuris necessário à concessão da liminar:



EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. IPI. IMPORTAÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR. PESSOA FÍSICA. USO PRÓPRIO. 1. Não incide o IPI em importação de veículo automotor, para uso próprio, por pessoa física. Aplicabilidade do princípio da não-cumulatividade. Precedente. Agravo regimental a que se nega provimento. (RE 501773 AgR, Relator(a): Min. EROS GRAU, Segunda Turma, julgado em 24/06/2008, DJe-152 DIVULG 14-08-2008 PUBLIC 15-08-2008 EMENT VOL-02328-05 PP-01113) "RE-AgR 412045/PE-PERNANBUCOAG. REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO Relator: Min. CARLOS BRITTO Julgamento: 29/06/2006 Órgão Julgador: Primeira Turma DJ 17/11/2006-PP-00052. "RE-AgR 255682/RS - RIO GRANDE DO SUL AG. REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO Relator: Min. CARLOS VELLOSO - Julgamento: 29/11/2005 Órgão Julgador: Segunda Turma DJ 10/02/2006



A segurança jurídica e a propriedade dos argumentos lançados nos julgados da mais alta corte do País impõem o acolhimento da tese defendida na inicial do mandamus.



Ressalte-se que Desembargadores do E. TRF da 3ª Região já apreciaram o tema por meio de decisão monocrática, ao argumento de que há entendimento firmado nas Cortes Superiores. A propósito, veja-se a decisão a seguir:



PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO INOMINADO. IPI. VEÍCULO IMPORTADO POR PESSOA FÍSICA E PARA USO PRÓPRIO. NÃO INCIDÊNCIA. JURISPRUDÊNCIA DO STF. JULGAMENTO MONOCRÁTICO. PREVALÊNCIA. 1. Presentes os requisitos estabelecidos no 1º-A do art. 557 do CPC, em face da jurisprudência do colendo Supremo Tribunal Federal, cumpre ao Relator desde logo julgar o feito com arrimo no aludido dispositivo processual. 2. Agravo improvido. (TRF 3ª R. 3ª T. APELAÇÃO CÍVEL - 227821 Processo: 95.03.002739-0 Relator: DESEMBARGADORA FEDERAL CECILIA MARCONDES Data do Julgamento: 04/12/2008 DJF3 16/12/2008 p. 32).



Entretanto, em face da existência de decisões do E. TRF da 3ª Região em sentido diverso, revela-se necessário exigir, com fundamento na parte final do inciso III, do art. 7º da Lei n. 12.016/2009, a realização de depósito, para garantia do pagamento do tributo ora discutido.



A importância a ser depositada deve ser calculada conforme os dados que serão inseridos na Declaração de Importação, considerando-se a cotação do dólar americano da data do depósito.



Diante do exposto, defiro parcialmente a liminar rogada para determinar que o Sr. Inspetor da Alfândega no Porto de Santos abstenha-se de exigir o recolhimento do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI, na operação de importação do veículo descrito na inicial.



Após a comprovação do depósito mencionado na fundamentação, oficie-se à autoridade impetrada para cumprimento desta decisão, a qual poderá conferir a suficiência do montante depositado.



Notifique-se a autoridade impetrada para que preste informações, no prazo de 10 (dez) dias.



Dê-se ciência da impetração e do teor desta liminar à Procuradoria da Fazenda Nacional.





Fonte: Migalhas

11 comentários:

  1. Moral da história... Já tá liberado? rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Badola só carro antigo ou novo também?
    Abs
    Moutinho

    ResponderExcluir
  3. Pelo racional da sentença do juiz, tanto antigo como novo ...

    ResponderExcluir
  4. Interessantissimo, quanto é o IPI no valor final de uma importação de um carro novo, tô vendo meu sonho de ter um Challeger V6 0km chegando perto da realidade.

    ResponderExcluir
  5. É interessante, mas tem que depositar o Valor do IPI numa conta e esperar o que vai ser decidido em recursos futuros, ou seja, trocou-se 6 por meia dúzia e ainda deve ter feito o desembaraço demorar mais o que aumenta os custos de armazenagens. Tem que ser bem analisado se vale a pena. Me parece que seja mais interessante entrar nessa briga quando o carro é novo e tem um valor declarado maior.

    ResponderExcluir
  6. É verdade !

    Mas acho muito importante essa movimentação ...

    Como diz o filósofo Olavo de Carvalho, brasileiro aguenta até piroca de rinoceronte no ... e não reclama !!!

    Abraços a todos

    ResponderExcluir
  7. Que bela notícia!!!!Se for verdade,quem sabe, até eu que odeio a burocracia da importação,tomarei coragem para importar um carro que sempre sonhei desde 1977!!!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Badolato, eu estou com um Porsche 924 em Miami para trazer para o Brasil agora no primeiro semestre. Quanto tempo levou em média os desembraços que voce fez?

    ResponderExcluir
  9. Bom... quem importou pode pedir ressarcimento então? Pq não pagar o IPI, retirar o carro e só depois ir a justiça? Desta forma Migdonio o processo demorará o normal e vc ainda pode poder reaver o IPI.

    ResponderExcluir
  10. Badolato, esse entendimento não é exatamente novo, já vi outros casos anteriores, inclusive tive aula com um juiz do RS e ele disse que ele julgou vários. E vale tanto para carro antigo como para zero KM. Além disso, quem pagou o IPI, em tese, pode pedir a devolução do que pagou. Então se nos carros que vc importou vc pagou IPI, vale a pena consultar um (bom) advogado sobre os riscos e as vantagens de uma ação para tentar reaver o valor.

    ResponderExcluir
  11. Meu irmão acabou de importar um zero km, qual o nome desse advogado Badolatto?

    ResponderExcluir